Racing Weekend Braga 2 – Domingo

O Circuito Vasco Sameiro, em Braga, recebeu mais uma jornada de Racing Weekend, que virtualmente terá decidido o título de Campeão de Portugal de Velocidade - TCR Portugal, a favor de Pedro Salvador, que dominou treinos e corridas do fim-de-semana.

Em prova estiram também os paticipantes do Campeonato de Portugal de Velocidade Clássicos, Campeonato de Portugal de Velocidade Clássicos 1300, Campeonato de Portugal de Velocidade Legends, que trouxeram grande animação ao programa.

 

Segunda corrida

Vitória de Pedro Salvador (Seat Leon Cupra TCR), que dominou a corrida, venceu pela segunda vez no fim-de-semana e desta forma, virtualmente tem o campeonato na mão. A Salvador bastará alinhar na última prova, em Portimão, para se sagrar Campeão de Portugal de Velocidade Turismos – TCR Portugal.

Rafael Lobato (Peugeot 308 TCR) foi um adversário duro de roer. Arrancou muito bem e rapidamente se colocava à frente de Francisco Carvalho (Audi RS3 LMS), depois pressionou Salvador, mas terminou a corrida em segundo, à frente do piloto da Guarda.

Manuel Gião (Kia Cee´d) foi quarto, sempre com Henrique Chaves (VW Golf GTI TCR) no seu encalço.

  • Partida

Pedro Salvador arrancou bem e manteve a liderança. Rafael Lobato arrancou muito bem e rapidamente passava Francisco Carvalho e colava-se à traseira de Salvador. Manuel Gião era quarto, à frente de Henrique Chaves.

  • 2ªa volta

Pedro Salvador fazia 1m 23,078 e registava o melhor tempo. Rafael Lobato estava seis décimas e Francisco Carvalho era terceiro a um segundo e meio.

  • 4ª volta

Pedro Salvador e Rafael Lobato faziam tempos quase idênticos a rodarem regularmente em 1m 23,8s

  • 7ª volta

Os tempos de corrida começavam a ficar mais altos. O forte calor que se fazia sentir na pista explicará o facto.

  • 12ª volta

Pedro Salvador geria a vantagem sobre Rafael Lobato, que estava agora a 3,28s.

Henrique Chaves aproximava-se se Manuel Gião, que estava um segundo e meio à frente.

  • Final

Vitória de Pedro Salvador, com uma vantagem de 3,213s sobre Rafael Lobato. Francisco Carvalho cortou a meta em terceiro a 9,547s do primeiro. Seguiam-no Manuel Gião a 16,311s e Henrique Chaves a 17,784s

Disse o vencedor...

"Esta vitória mais difícil do que a primeira, com mais luta, o Rafa (Rafael Lobato n.d.r.) nunca desistiu, nunca baixou os braços, esteve sempre a tentar pressionar-me, mas consegui construir uma vantagem menos confortável do que a anterior. Foi difícil manter a concentração e não cometer nenhum erro que pudesse comprometer o resultado."

"O Campeonato, à partida… tenho que ver as contas, penso que ainda não somos campeões sob qualquer eventualidade; basta-nos marcar presença na última corrida para confirmar o título. Falhamos a primeira prova, aqui em Braga, que fizemos o segundo lugar, porque falhei a partida e desde então vencemos todas e desde Vila Real fizemos todas as poles e voltas mais rápidas, portanto, melhor seria impossível."

braga2 salvador2 Pedro Salvador 

Primeira corrida

braga2 tcr podium1 Da esquerda para a direita: Francisco Carvalho (2º); Pedro Salvador (1º); Armando Parente (3º)

Pedro Salvador (Seat Leon Cupra TCR) dominou a corrida desde a partida, dando assim mais um passo no sentido da vitória no Campeonato, que comanda e poderá vencer ainda hoje. A oposição veio da Francisco Carvalho (Audi RS3 LMS), que foi segundo, gerindo o final da corrida.

Francisco Abreu (Peugeot 308 TCR) fez meio pião, que o coloou no quarto posto, atrás de Armando Parente (VW Golf GTi). Manuel Gião foi quinto, depois de ter tido que ir à box, com problemas mecânicos no Kia Cee´d.

Nos TCC João Sousa desitiu cedo com problemas no Seat Leon.

braga2 tcr salvador dom Pedro Salvador (Seat Leon Cupra ) 

braga2 tcr carvalho domingo Francisco Carvalho (Audi RS3 LMS) 

braga2 tcr aparente Armando Parente (VW Golf GTI TCR)

A corrida volta a volta

  • Partida

Pedro Salvador arrancou na frente, Francisco Carvalho partiu no seu encalçom trazendo Francisco Abreu quase colado.

João Sousa seguia para box e desistia.

  • 2ª volta

Francisco Abreu perdia tempo fruto de uma atravessadela na esquerda após a recta da meta e Armando Parente suba para terceiro

  • 3ª volta

Pedro Salvador baixava o tempo de volta para 1.22,6 e ganhava distância para Francisco Carvalho que estava a 1,78s.

  • 4ª volta

Francisco Abreu descolava de Manuel Gião, que era quinto.

  • 8ª volta

As posições do pelotão começam a definir-se. A temperatura da pista estava a subir e era necessário gerir o desgaste dos pneus. Os tempos por volta estavam agora em 1m 24.

  • 10ª volta

Francisco Abreu manteve sempre um ritmo muito forte e regular e estava a quatro décimas de Armando Parente

  • 11ª volta

Manuel Gião seguiu para box com problemas mecânicos no Kia Cee´d. Regressou à pista de seguida, mas só para ver a bandeirada final.

  • Final

Pedro Salvador venceu, com uma vantagem de 7,35s sobre Francisco Carvalho. Armando Parente foi terceiro a 9,17s do líder, seguido por Francisco Abreu três décimas de segundo.

Disse o vencedor...

"Foi uma corrida boa, em que tive uma dificuldade acrescida, pois da nossa posição de partida tínhamos uns restos de gordura no chão, o que nos dificultava a tracção, de qualquer forma consegui arrancar e arrancar para frente. Forcei o andamento nas primeiras voltas, para tentar perceber se conseguia cavar algum fosso para os adversários, consegui com sucesso e a partir daí mantive o meu ritmo e acabou ser uma corrida mais fácil do que eu tinha previsto."

"Foi um passo importante para o Campeonato, mas de qualquer forma vou manter a atitude para a segunda corrida, para assim podermos, eventualmente carimbar a vitória no Campeonato."

NunOrganistA 006 Pedro Salvador

Campeonato de Portugal de Velocidade Clássicos 

Rui costa partiu na frente, com Rui Azevedo no encalço. Joaquim Soares era terceiro e beneficiava do ataque que Rui Ribeiro lançava a Filipe Matias, distanciando-se um pouco.

À segunda volta, Pedro Poças, faziam um pião com o Porsche 928s, na parabólica de acesso à recta da meta.

Com o evoluir da corrida, os dois homens da frente, ambos em H75, rodavam separados por cerca de um segundo e cavavam um fosso de uma dezena de segundos para o líder dos H71, Joaquim Soares.

Rui Ribeiro, comandante do Grupo 5, era quinto da geral, mas sempre pressionado por Filipe Matias, que andava a menos de meio segundo.

Com cerca de dois terços da prova decorridos, Matias ganhava o quarto posto.

Entretanto o safety car tinha que entrar em pista; o Mini 1275 Gt de Fernando Carneiro perdia óleo e encostava no final da recta da meta. Até ao final da corrida não havia tempo de concluir a operação de remoção do Mini e a prova terminava com o carro de segurança em pista.

Os vencedores da corrida eram assim:

Rui Costa (Ford Escort RS1600) venceu entre os H75; Joaquim Soares levou o Lotus Elan à vitória nos H71; Rui Ribeiro (Ford Escort) ganhou o Grupo 5; Fernando Xavier (VW Sirocco GTi) foi o melhor H81 e venceu a taça 1600 e Luís Sousa e Costa (Datsun 1200) ganhou o Grupo 1.

NunOrganistA 040 Rui Costa (Ford Escort RS160)

 

  • Anpac
  • Fpak
  • Full Eventos
  • Hankook
  • Murganheira